Crise Política e Virada Conservadora no Brasil (2014-2018): O Abismo Brasileiro no Espelho do Mundo

Resurgimiento de la derecha en América Latina: nuevas coaliciones y agendas

Fecha de publicación:12/2020
Autor:Barry Cannon y Patricia Rangel (coords.)

Descarga

América Latina ha dado un giro a la derecha. Con la elección de Mauricio Macri como presidente de Argentina en 2015 y, sobre todo, de Jair Bolsonaro en Brasil en 2018, se inició un ciclo electoral en el que América Latina parecía haber dado la espalda a la «marea rosa» liderada por la izquierda que dominó la región desde el comienzo del milenio. El número 126 de Revista CIDOB d’Afers Internacionals busca analizar este fenómeno desde un enfoque integral del poder –que abarca las dimensiones ideológica, económica, militar y política–, así como sus influencias transnacionales, a partir de la siguiente pregunta clave: ¿Qué es nuevo y qué no en la actual generación de actores de la derecha en la región? Los artículos presentados proporcionan una imagen amplia de una derecha regional en transición, en la que muchos de los antiguos centros de poder siguen siendo prominentes (el ejército, por ejemplo, o la religión) pero con roles e identidades transformadas; y donde nuevos actores y medios de comunicación están redefiniendo la derecha latinoamericana del siglo XXI.

 

Descrição Longa

Este livro reúne os textos das intervenções do colóquio Quelle droite a pris le pouvoir au Brésil? Perspectives comparatistes, realizado em Paris, na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais, nos dias 30 e 31 de maio de 2017. Naquele momento, a preocupação dos organizadores enquanto historiadores era com a derrubada de uma presidente eleita sem uma sólida justificativa constitucional e as prováveis consequências desse acontecimento para a democracia brasileira. As reflexões que atravessam as intervenções do colóquio que ora publicamos carregam as seguintes interrogações: em qual escala temporal pensar o estremecimento da democracia brasileira representada pelo impeachment de 2016? Trata-se de um backlash conservador, historicamente disposto a desprezar a ordem democrática quando os interesses das classes dominantes, ou até mesmo apenas as hierarquias simbólicas, são ameaçadas? Ou o processo de erosão da democracia brasileira está ligado ao tempo curto de uma dessecularização de algumas sociedades ocidentais, de uma ofensiva da “Nova Direita”, de um consenso em torno da imposição de uma ordem neoliberal, algumas vezes ao preço de medidas “iliberais” e até mesmo antidemocráticas? Em outros termos, o terremoto de 2015-2016 estava há muito tempo presente em germe no funcionamento institucional brasileiro, ou ele é resultado de uma aceleração da história, de um contexto que vai muito além do Brasil?

Diante da ruptura representada pela destituição de Dilma Rousseff, decidimos adentrar o terreno da história do tempo presente para conduzir uma reflexão coletiva sobre o processo de erosão democrática em curso no Brasil, acentuando as diferentes facetas de uma onda conservadora. Sem necessariamente apreendê-la com coerência, optamos por tentar interpretar essa ruptura como comparável, inspirada por e conectada com outras experiências nacionais. É em relação às fragilidades democráticas e às escaladas conservadoras na França, na Itália, nos Estados Unidos e no Chile que a situação brasileira é aqui interpretada. Essa obra propõe pistas de reflexão movidas pela preocupação, e mais ainda pelo espanto e pela vertigem do abismo. Análises de forma alguma caducas, mas tornadas arquivos de uma tomada de consciência: a profunda mudança política e ideológica que tinha início no Brasil, em relação às outras nações do Ocidente.


Vous aimerez aussi...

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée.

Ce site utilise Akismet pour réduire les indésirables. En savoir plus sur comment les données de vos commentaires sont utilisées.

Rechercher dans OpenEdition Search

Vous allez être redirigé vers OpenEdition Search